sábado, 4 de outubro de 2014

Uma mirada sobre o Caruru dos 7 Poetas




Uma mirada sobre o Caruru dos 7 Poetas


Era o ano da poesia de 2004, na Ladeira da Misericórdia da cidade de Salvador, no Zanzibar cheio de almas que buscavam se alimentar da palavra poética e corpos atraídos pelas delícias do caruru! Assim começava a história do Caruru dos 7 Poetas! Um evento literário, um recital de sete poetas irmanados pela força e magia da poesia em voz alta! Inspirado nos ritos de Cosme e Damião, o Caruru dos 7 Poetas cresceu incorporando outras linguagens artísticas: música, teatro, dança, circo e várias performances culturais! A cada ano, mais poetas convidados, novos diálogos estabelecidos entre as diversas gerações literárias da Bahia, do Brasil e do Exterior!
Agora são 10 anos deste rico e belo evento literário-cultural que fincou sua marca na história da cultura brasileira por sua importância na divulgação de mais de 70 poetas, consagrados e estreantes, nacionais e estrangeiros, e no incentivo e formação de novos e velhos leitores.
É, sem dúvida, um evento fortemente marcado pela pluralidade estética, com suas múltiplas linguagens e línguas de cantos e cantares que seduzem o povo ao encontro da palavra viva, da palavra imagem, da palavra comida, da palavra sentido que se faz e refaz pela via da palavra poética!
Comemoramos estes 10 anos de muita vibração cultural, de muitos encontros de poetas e leitores, de muitas partilhas e intercâmbios entre povos e culturas! Comemoramos o fortalecimento da diversidade de vozes que cantam músicas tão belas, recitam palavras ancestrais, escrevem poemas nas paredes do tempo, gravam versos na memória do povo, fazem da poesia um banquete de caruru que alimenta as múltiplas fomes do homem!
Salve o Caruru dos 7 Poetas!

Cleberton Santos
Feira de Santana, 17 de setembro de 2014.
Publicado na antologia poética “Todas as mãos” do Caruru dos 7 Poetas, organizada por João Vanderlei de Moraes Filho, publicada pela Portuário Ateliê Editorial, Cachoeira, Bahia, 2014
Disponível no site da Casa de Barro: http://www.casadebarro.org/





Um comentário:

Valdeck Almeida de Jesus disse...

E vida longa ao Caruru, aos Sete, aos Setenta, a esta fome de poesia que alimenta a todos nós.

Valeu, Cleberton pelo artigo.